Entidades ligadas ao futebol defendem campanhas e punição para atos racistas

Observatório da Discriminação Racial no Futebol diz que menos da metade das 200 denúncias registradas desde 2014 chegaram aos tribunais



O representante do Observatório da Discriminação Racial no Futebol Marcelo Carvalho disse, em audiência na Câmara dos Deputados nesta terça-feira (16), que, desde 2014, foram registradas mais de 200 denúncias de racismo no futebol, mas apenas 40% dos casos chegaram aos tribunais e desses só 60% levaram à punição dos envolvidos.

“Esses números nos mostram a necessidade de uma campanha e de ações efetivas de combate ao racismo no futebol brasileiro. É imperdoável que o futebol, esse espaço que tem tantos atletas negros praticando o esporte conviva com extrema violência e aqui não estamos falando apenas do racismo de insultos e xingamentos, estamos falando dos casos de racismo noticiados pelos veículos de comunicação”, disse Carvalho durante audiência promovida pelas comissões do Esporte e de Direitos Humanos.

O representante do Superior Tribunal de Justiça Desportiva Luiz Felipe Bulus afirmou que existe punição. “Cada julgador tem a sua opinião pessoal, a minha é de tolerância zero em relação a esse tipo de descriminação, assim como eu tenho opinião de tolerância zero com relação a ofensa moral contra árbitros e outras coisas que são consideradas como cultura do futebol", disse Bulus defendendo a realização de campanhas de conscientização das torcidas para mudar essa cultura.

Luiz Felipe Bulus disse ainda que a  Federação Internacional de Futebol (Fifa) adotou, desde 2019, um protocolo contra ações racistas que é baseado em anúncio nos estádios para as torcidas, suspensão ou encerramento da partida, caso o problema persista.

Billy Boss/Câmara dos Deputados
Deputado Bira do Pindaré está sentado falando ao microfone
Bira do Pindaré acredita que punir clubes pode conter torcedores

Punição aos clubes
O deputado Bira do Pindaré (PSB-MA), um dos autores do pedido para realização da audiência, lembrou que ele é autor de um projeto de lei pune os clubes por agressões praticadas pelos torcedores, sejam elas físicas ou verbais (Projeto de Lei 80/20).

"Se a punição recair sobre o clube é evidente que os torcedores pensarão duas vezes antes de praticar tais condutas”, afirma o parlamentar.

Redes sociais
O representante da Câmara Brasileira de Economia Digital Igor Luna afirmou que é preciso agir contra as manifestações de racismo também nas plataformas digitais, que se transformaram na extensão dos estádios de futebol.

Ele lembrou que os usuários podem filtrar esses conteúdos ajustando suas preferências em ferramentas disponíveis no Instagram, no Twitter e no Facebook. Além disso, esses conteúdos também podem ser denunciados pelos usuários.

 

Reportagem - Karla Alessandra
Edição - Natalia Doederlein

 

Fonte: Agência Câmara de Notícias