Como escolher a carreira pública que mais combina com você


O acesso à carreira pública difere do caminho percorrido no ramo privado, desde a forma de ingresso até os fatores que compõem os vencimentos, entre outras peculiaridades.


O acesso à carreira pública difere do caminho percorrido no ramo privado, desde a forma de ingresso até os fatores que compõem os vencimentos, entre outras peculiaridades. Embora o ensino superior em Direito não seja exigido em todos os certames, o graduado na área tem vantagem na hora de estudar e mais opções de candidatura.

Bons salários, ótimos benefícios, jornada de trabalho razoável e estabilidade atraem quem opta por esse ramo profissional. Como o setor tem várias vertentes, é comum a pessoa não saber ao certo qual escolher.

Se esse for o seu caso, continue a leitura deste artigo. Trouxemos algumas orientações que vão ajudar você a optar pelo cargo mais adequado ao seu perfil e expectativas. Confira!

As vantagens da carreira pública

Não é à toa que os concursos para trabalhar em tribunais, polícia, empresas públicas, sociedades de economia mista e outras instituições ligadas ao governo são tão concorridos.

Vantagens como a estabilidade são de conhecimento público e notório, mas ela não é obtida automaticamente com a posse. Você sabe como ela é conquistada? Vamos falar desse e de outros benefícios a seguir:

Remuneração atrativa

Um levantamento divulgado pelo IBGE sobre o 1º trimestre de 2019 constata: enquanto um trabalhador do setor privado fatura em média R$ 1.960 mensais, os proventos de quem está na carreira pública giram em torno de R$ 3.706 — uma diferença superior a 89%.¹ 

Na carreira pública jurídica, por exemplo, os salários variam de R$ 3,9 mil, o do técnico judiciário, cuja exigência é Ensino Médio completo, a R$ 30 mil, a remuneração dos juízes. O valor depende da área (policial, fiscal ou de tribunais), instituição e cargo — alguns, como o de delegado e oficial de justiça exigem graduação completa em Direito.

Promotores ganham em média R$ 24,8 mil, e os desembargadores, R$ 30,4 mil. Inclusive, a remuneração no Judiciário respalda o teto constitucional, pautado nos proventos recebidos pelos Ministros do Supremo Tribunal Federal.

Estabilidade

É obtida após os 3 anos iniciais no posto de trabalho, período equivalente ao estágio probatório (art. 41 da Constituição Federal). Havendo desempenho compatível com o esperado pela Administração Pública, o servidor só perde o emprego em circunstâncias excepcionais, se agir com improbidade, por exemplo.

Benefícios e adicionais

Podemos citar ainda como vantagens os planos de saúde, odontológico e de previdência complementar, e os vales alimentação, transporte e moradia. Há também acréscimo percentual sobre a remuneração quando a pessoa tem nível de escolaridade superior ao exigido no edital.

O concursado que ocupar cargo de diretoria, assessoramento ou chefia tem a remuneração aumentada. Por fim, o rol de vantagens compreende auxílio-creche, licenças-prêmio, remuneradas e não remuneradas, além do incentivo financeiro para o profissional continuar sua formação.

Dicas para escolher uma carreira pública

Parece atraente trabalhar no setor, não é mesmo? Como seus estudos precisam ser direcionados em busca da aprovação, é fundamental eleger a qual vaga você pretende concorrer, momento às vezes confuso. Trazemos na sequência algumas medidas capazes de orientar a sua decisão. Confira:

Conheça bem a área

Basicamente, são 3: policial, fiscal e de tribunais. A primeira compreende as polícias civil, militar, federal e rodoviária, enquanto a segunda abrange cargos na Receita Federal e Tribunais de Contas, por exemplo.

A última área compreende TJs, TRTs, TREs, tribunais superiores e STF, com muitas vagas especialmente destinadas a quem se graduou em Direito. Aqui ainda entram os profissionais das chamadas funções essenciais à justiça: Ministério Público, Advocacia Pública e Defensoria Pública.

A importância de eleger uma vertente orienta sua preparação para as provas. A carreira policial, por exemplo, tem uma peculiaridade no processo seletivo, o teste de aptidão física (TAF). Logo, não basta passar na nota de corte da fase escrita; é preciso ser aprovado também nas barras, flexões, corrida, natação e no que mais o edital previr.

Estude a estrutura da instituição

Um escrivão, um delegado, um papiloscopista e um agente da polícia civil podem trabalhar na mesma unidade, mas terem funções diferentes. Enquanto o último vai a campo, efetua prisões e busca evidências, o primeiro essencialmente realiza rotinas de escritório, como a documentação dos itens apreendidos. 

É importante checar o organograma da instituição onde você pretende atuar para entender seu papel dentro da estrutura, até porque existem planos de carreira, e a ascensão não acontece como no setor privado, no qual um auxiliar administrativo pode ser promovido até se tornar gerente.

Um analista de tribunal jamais se tornará juiz por ascensão, apenas se for aprovado no concurso da magistratura. Ele pode sim ser indicado para função de confiança e trabalhar como chefe de secretaria, mas sempre terá o cargo assumido quando tomou posse.

Compare os editais

Esse documento contém todas as regras do processo seletivo quando um certame é lançado: número de vagas, remuneração, benefícios, prazo para inscrição e suas hipóteses de dedução e isenção, locais de realização das provas e conteúdo programático, entre outras disposições.

Lembra-se da primeira dica, sobre conhecer bem a área? Portanto: editais da polícia contemplam muitas leis e tópicos de Direito e Processo Penal, enquanto Contabilidade, Matemática, Direito Tributário e Financeiro despencam nos concursos de quem opta pelo âmbito fiscal.

Ler editais passados ajuda você a comparar atribuições entre os cargos e o conteúdo programático das provas. Quem estuda Direito identifica afinidades com as disciplinas manifestadas desde a graduação, o que facilita a escolha da carreira pública a seguir.

A preparação para prestar concursos

Agora que você já está familiarizado com as vantagens de atuar no setor em questão e sabe quais medidas adotar a fim de tomar um rumo nessa empreitada, veja como trilhar seu caminho de sucesso!

Primeiros passos

Após eleger a área, pesquise quais certames estão previstos para os próximos 12 meses. Veja nos editais abertos e passados o conteúdo programático e o peso das questões no cálculo da nota final.

Análise das matérias

Imagine um concurso com 20 perguntas de Português e Raciocínio lógico (peso 1) e 60 de Direito Constitucional, Administrativo, Civil, Processual Civil, Penal e Processual Penal (peso 3). Caso seu nível de conhecimento esteja mais ou menos igualado em todas as disciplinas, você obviamente deve privilegiar as jurídicas.

Plano de estudos

Será traçado com base no conteúdo do edital, em quantas matérias previstas no documento a pessoa domina e no tempo que tem disponível. O ideal é estudar por 50 minutos e tirar 10 de descanso, voltando aos livros e apostilas para repetir o processo.

Ajuda da tecnologia

Existem muitos cursinhos preparatórios no mercado com material em videoaula e PDF. Qual dos dois é mais eficaz para você? Isso será descoberto com o tempo. Enquanto isso, pesquise as empresas, leia a lei seca e faça questões todos os dias. Além disso, aproveite as informações e facilidades trazidas pela transformação digital.

A carreira pública apresenta muitas vantagens, mas exige dedicação porque ninguém passa nas provas sem estudar. Com um pouco de conhecimento todo dia, daqui a alguns meses você terá domínio das disciplinas, chegando à tão sonhada aprovação!

Fonte: cejur